A R T E S
  • Pagina Principal
  • Artes Cênicas
  • Artes Plásticas
  • Artes Musicais
  • Artes Literárias
  • Cultura Popular
  • Manifestos
  • Campanhas
  • Contate-nos

  • DIVERSOS
  • CRIANÇAS
  • Paixão de Cristo
  • Teatros
  • CLÁSSICOS
  • Bibliotecas
  • Antiqüários
  • Museus & Galerias
  • PRÊMIOS
  • Entidades & Cia.
  • Fora de Ordem
  • DIA DO TEATRO


    Follow us on

  •  FIGURINOS

    Artigo: Linguagem do Vestuário Teatral

    Janice Ghisleri
    Estilista e Figurinista, Bacharel em Moda
    UDESC-Universidade do Estado de Santa Catarina.

    Uma roupa não é só uma roupa, ela possui significados e variantes embutidos e com funções simples ou complexas, comunicações que são passadas à outrem e que devem ser salientadas e reforçadas em uma apresentação artística por ser esta uma arte de mostrar e exibir mensagens.

    O vestuário é uma máscara social, pode esconder ou salientar o corpo, descreve a personalidade e estilo do ator. A roupa faz transparecer sentimentos, vida, estética, movimento, posição social, épocas e lugares através de suas formas, cores e texturas.

    Umberto Eco salienta que “O hábito fala pelo monge, o vestuário é comunicação, além de cobrir o corpo da nudez, ela tem outras finalidades”. ECO, 1989:71.

    Para a semiótica que estuda as linguagens verbais e não-verbais, tudo o que produz o fenômeno de significação e de sentidos estabelece uma comunicação entre os homens , e sendo assim não precisa usar a voz para se passar uma mensagem pois a linguagem também está contida nas expressões corporais, e a roupa pode ser colocada como linguagem visual.

    Para haver entendimento dos signos, há a necessidade da emissão de uma mensagem à alguém, então temos uma mensagem, um emissor e um receptor. Para que haja uma boa relação entre estes três elementos deve haver uma boa codificação de signos e sinais. Se o receptor não reconhecer os sinais, então não entenderá a mensagem. Estes signos transformam-se em uma linguagem clara e cada cultura possui signos diferentes e com características próprias, mas com a globalização umas culturas podem conhecer a de outras. Por estes e outros motivos é necessário um grande domínio na criação e transmissão destes signos para que se possa embuti-las nas roupas e assessórios e fazer com que o espectador as entenda.

    A mensagem que os figurinos tem que passar é importante mas o diferencial está na maneira que vai se passar a mensagem. A roupa não serve apenas para proteger do frio, mas ela possui símbolos, códigos e convenções de status, comportamento, sentimentos, identificação de grupos e posições ideológicas. O vestuário militar não possui variante, pode somente identificar qual o segmento militar é pertencente e as patentes, mas os trajes civis possuem inúmeras variações desde a cor dos tecidos, escolha da camisa, forma dos sapatos, comprimento das saias, etc. Muitas vezes a escolha do vestuário muda de significado segundo o contexto em que se insere por exemplo, usar camisola para dormir tem um significado, mas sair na rua com ela tem outro bem diferente. E todas estas significações auxiliam na personificação de um personagem.

    Segundo Renato Sigurtá, ainda hoje em alguns povos e algumas roupas da antiguidade tinham significações de proteção e religiosas, significados nas crenças, uma síntese entre o poder mágico – proteção da roupa e dos amuletos. Marcar a própria presença, chamar a atenção, pôr ênfase em determinadas partes do corpo, denotar com uma imagem clara e muitas vezes mesmo codificada com precisão alguns significados, e dar a conhecer outros de maneira explícita, mas, sempre sensível, eis o objetivo principal do vestuário. SIGURTÁ IN ECO, 1989:22.

    Um figurino proposto corresponde a uma função real, mesmo sendo dentro de uma situação irreal, por exemplo um traje para dançar, serve efetivamente para dançar e expõe a dança de um modo estável e é legível para todos que estão analisando a cena proposta e captam o significado daquela roupa.

    Quando se estabelece que um vestuário serve especificadamente para determinada situação, determinado lugar, seja como uma proteção ou como uma função específica, temos uma identificação imediata da situação. Se virmos uma noiva, logo sabemos que ela está para se casar ou acaba de se casar, quando vimos alguém com roupas de lã pesadas, sabemos que a estação é de inverno, que se encontra em um país no qual a temperatura é baixa.

    Vale o tipo e intensidade, qualidade e um padrão deste traje. Este traje pode identificar uma mesma função para classes sociais deferentes, culturas ambientes e climas, quanto à classe social, podemos ver as mudanças na qualidade do traje como um tecido mais caro, um corte mais refinado, etc. E dentro do espetáculo estes padrões são reforçados, pois possuem uma função de comunicação junto com os outros elementos cênicos e o espectador pode captar a cena sem que os sons estejam anunciados. Eles influem e contribuem juntamente com o cenário e iluminação e sua linguagem pode alterar-se ou manter-se de acordo com estes outros elementos visuais.

    Saliento aqui uma concepção de Jorge Lavelli para a ópera “Oedipus Rex” de Stravinsky (Ópera de Paris, 1979): “...e com sua gama de cinzas das escadarias indo do branco ao preto, que a imensa cauda vermelha de Jocasta salpica com uma mancha vermelha sangrenta”. ROUBINE, 1982:124.

    Uma dramatização do tema com ímpeto poético na descrição de Lavelli, a imagem que ele tem deste contraste da roupa e o cenário vangloria o drama, demonstra êxtase pela cena vista, e é este impacto que a ópera deve causar, pois além de mexer com a alma através da música, o visual também pode dar este impacto.

    As roupas em si muitas vezes possuem uma série de falsas funções cujo fim é evidentemente dar um signo a uma imagem ou uma ação. Ela tem um certo grau de futilidade, pois passando da função de proteção, passa a função de adorno, o qual atinge a vaidade e diferenciação das outras pessoas. No teatro o traje possui um alto grau de intensidade simbólica. É um álibi funcional, tem responsabilidade sobre o ator, sobre o público e sobre o todo do espetáculo.

    Não somente roupas, mas objetos de caráter vestual como gravata, relógio de bolso com corrente, a bengala ou o leque da dama que se abre convidativo, fazem parte de um simbolismo. Com seus significados simbólicos, ajudam a caracterizar as diferenças do vestuário feminino e masculino, acentuando os objetivos e linguagens que o todo quer passar, pontos estes que foram muito fortes nas variações através dos séculos. Para a mulher a linguagem da roupa foi sempre uma alternativa de exibicionismo e pudor, o masculino foi sempre acima de tudo simbólico.

    Estudando a história da indumentária podemos observar que a simbologia sempre foi intensa na construção dos trajes, tem significados perante a sociedade, perante a personalidade, perante uma forte distinção de classes, exploração de artifícios sexuais ou até ocultação destes artifícios. No teatro ou qualquer outra representação artística, temos a representação destes significados e caracterização subliminar ou exagerada através das roupas e acessórios, os quais se encarregam se passar as mensagens sugeridas.

    Sabemos também que partes das roupas se tornaram fetiches, objetos de adoração ou feitiço como decotes, espartilhos, crinolina ou as cintas-ligas. Antigamente, na época em que eram realmente usadas, havia uma necessidade onde se baseava a teoria que os traços fisionômicos são indícios de características de comportamento, eram o espelho do caráter e hoje estes traços devem ser identificados no espetáculo de época para que o público seja transportado para esta época representada e imagine todos estes comportamentos e os entenda.

    “Nenhum burguês no século XVIII ousaria tingir de vermelho as solas dos sapatos como faziam os nobres, nem estes jamais se permitiriam de imitar alguns pormenores do vestuário dos camponeses, por sinal, naquela época tão rica de cores e decorações muitas vezes refinadas”. ECO, 1989: 28.

    Seguindo a mesma linha de pensamento, Marino Livolsi, 1989:39 coloca que “...a toga da época romana ou o manto do nobre na Idade Média eram o símbolo de se pertencer à uma camada a que só podia pertencer por nascimento. A maneira de se vestir da camada superior à subalterna também era contrastante, eram como dois mundos diferentes, dois estilos diferentes e por conseqüência, dois modos de se vestir. Portanto o poder de mostrar através da roupa está na diferença de classes. Com a revolução Industrial estas mudanças ficaram menores, havendo uma homogeneização entre as classes, e hoje em dia é difícil de se detectar uma classe social pelas roupas, pois uma princesa pode se vestir de calça jeans e camiseta e uma pessoa da classe média com um vestido de paetês”. LIVOLSI, 1989: 39.

    Há uma clara identificação também nas culturas diferentes da nossa onde podemos facilmente identificar, uma gueixa, um cowboy, um muçulmano, que possuem roupas características de suas cultura, onde podemos logo no primeiro olhar identificar a que região pertencem. Estes personagens típicos, sempre são muito representados em espetáculos, e trazem toda uma carga de cultura, hábitos e figurinos característicos, muito interessantes de se trabalhar.

    Há também tipos de vestimentas que são parte fulgurante em determinados tipos de grupos, isentos de especifica cultura, como o caso dos motoqueiros, punks, o clero entre outros.

    E ainda como considera Humberto Eco, “Situações ou fatos históricos de determinadas épocas refletem no vestuário, como nas décadas de 40 que o que imperava era o “fato cinzento” onde o homem tinha o papel de representar uma sociedade em que predominava a funcionalidade, a especificidade profissional, a possibilidade de afirmar-se exclusivamente segundo seus próprios méritos. O cinza era usado pela tristeza constrangedora da guerra, da angústia, formas masculinizadas e também para as mulheres formas masculinas dos soldados.” ECO, 1989:44.

    De acordo com o assunto exposto acima, o figurinista tem obrigação de conhecer estes pontos dos vestuários, como significados das cores e elementos característicos das diferentes culturas. Deve identificar o que pode e o que não pode criar ou adaptar, principalmente se tratando de um figurino de época, pois pode descaracterizar toda uma simbologia de extrema importância para o clima de uma cena, e caracterização de um personagem.

    Segundo Ionesco, “Em teatro tudo é linguagem: as palavras, os gestos, os objetos, a própria ação, porque tudo serve para exprimir, para significar. Enfim, tudo é linguagem. IONESCO, 1966:116.

    Os signos devem ser sentidos e entendidos pelos espectadores para que haja uma comunicação. Se a mensagem (história) do espetáculo não causar efeito e não atingir o público então ele não vai entender a mensagem, não se emociona, não ri nem chora, não reflete sobre o que está vendo e ouvindo, e nada lhe altera nos sentimentos, então podemos concluir que não houve comunicação. Os signos reforçam-se uns aos outros, se completam, e estas combinações e afinidades formam uma linguagem homogenia que deve ser transmitida. Os signos teatrais são artifícios planejados e induzidos onde os atores e os outros elementos cênicos (cenários, iluminação, figurino, atores, etc) são encarregados de passar. Ex.: O cetro de um rei é sinal de realeza, é um símbolo de seu poder, o de um mago, é sinal de um objeto do seu poder, com poderes mágicos, que o auxiliam em suas magias, geralmente portadores de poderes. Um pastor segurando um cajado sabemos que é para guiar as velhas, não permitindo que elas se afastem do rebanho, pois torna-se uma extensão do seu braço, alcança uma área maior. Um homem qualquer sem objetivo nenhum, segurando um cajado, podemos tirar várias conclusões sobre para que finalidade ele estaria segurando este pedaço de pau, assim por diante.

    As culturas são identificadas por maioria em símbolos, regiões, religiões, grupos, tribos, situações, personalidades, rituais, entre outros. Os signos estão contidos nas roupas, nos gestos, na linguagem corporal, nas palavras, no som, acessórios, maquiagem, penteados, no próprio ambiente como um cenário ou uma iluminação, até nos objetos menores, e todos estes elementos portadores de signos, juntos, formam um ambiente, uma cena, que ajudam a contar uma história e fazem o espectador entrar nesta história e viver uma fantasia. Se por acaso um destes signos estiver em desarmonia, fora do contexto há uma quebra e o espectador pode ser sugado da fantasia e volta à realidade, visualizando um teatro simples. Mesmo que o espectador tenha que ter o trabalho de decifrar e questionar, pensar sobre o que os elementos e signos significam, para que possa compreender a história, não podem ser demais, pois podem levar ao descaso e muitos são tão sutis e subliminares, que passam desapercebidos, mas que possuem missão importante para o contexto visual.Segundo Giles Girard “são estímulos visuais”.

    As cores, texturas e formas possuem uma carga muito grande de simbologia, citarei aqui alguns exemplos mais conhecidos, sendo que há muito quase subliminares, mas que mesmo assim causam efeito. São os primeiros recursos visuais que chamam a atenção, desperta o olhar. Através das cores pode-se detectar o estado de espírito (se está alegre, triste, de luto, se é recatada, clean, rebelde, etc).

    Como exemplo podemos citar o branco que significa paz, pureza, tranqüilidade. No período clássico o branco era a simbologia das nuvens, a morada dos Deuses. Representa também a ingenuidade e pureza. Ao contrário da cultura ocidental a cultura indiana usa o branco para o luto, representando a passagem para um lugar melhor. As primeiras roupas de baixo sempre eram brancas, pois representavam a limpeza. Como na Europa antiga não se tinha o costume de tomar muito banho, então trocavam a roupa de baixo sem tomar banho e sendo assim, significava que já estavam limpos. E claro tinha uma relação com a riqueza a qual somente possuía elementos de limpeza como sabão para poder limpar a roupa. Sendo assim representar um camponês muito pobre com uma camisa alvejada é totalmente imprudente dentro de uma cena.

    O Preto, como se falando em cor luz é ausência de cor, então esta foi relacionada às trevas, ao obscuro, morte, tristeza, violência, mal. O preto relaciona uma agressão, sendo a cor adotada pelos punks (agressividade), góticos (misticismo das trevas), darks (oposição a uma sociedade e violência). Para os ocidentais é usada no luto, pois vemos a morte como uma coisa ruim, um fim, uma dor muito grande, mas também passa sensualidade, seriedade, cor considerada clássica, imortalizada pelo tubinho básico de Chanel.

    Falando em formas e texturas, vestidos com decotes acentuados passam sensualidade, desejo de seduzir, etc. Formas exageradas, grandes ou pequenas demais, são utilizadas para um estilo mais pícaro, comédia, pois estilizamos uma personalidade brincalhona ou um trapalhão, tornando o personagem um caricato, tecidos rústicos e rasgados passam informações de pobreza, onde não podem ser lavados e nem repostos, podem passar a informação de momentos de sofrimento o qual a pessoa passou por um acidente ou outros. Quando algumas roupas são usadas sempre para um mesmo fim, começa, se criar uma identificação automática, um canal de assimilação pela lógica, é a propagação dos arquétipos, ou também conhecidos clichês vestuais.

    Há alguns estereótipos ou arquétipos na identificação de personagens que são mais conhecidos mundialmente. O mau é obeso, barbudo, facilmente irritável, o bom é magro, barbeado, veste-se de branco ou cores claras, vítima da ira do rival. A mocinha usa roupas leves, a má roupas ousadas com cores fortes etc; a mulher fatal usa vermelho, preto com decotes profundos, entre outros. Estes estereótipos foram basicamente criados em 1920 pelo cinema, impulsionado pelas roupas o qual pré-determinou personagens, e estes acabaram tornando-se referências. No geral para as mulheres a vamp mitológica nórdica, a virgem inocente, a prostituída, a femme fatale. E para os homens gêneros épicos e mocinhos heróis. Os quais nunca morrem e fazem coisas que os outros não conseguem fazer.

    Há os figurinos de personagens que se tornaram conhecidos mundialmente, e que são rapidamente reconhecidos, são personagem que se mitificaram no teatro, cinema, nas histórias em quadrinhos, ou na dramaturgia infantil como Cinderela, Branca de Neve, Homem Aranha, Batman e Robin, SuperMan, personagens como Romeu e Julieta, o bufão, a bruxa, a vamp, a mulher fatal, o homem tímido, o mocinho e o bandido entre tantos outros, facilmente identificáveis quando vemos a roupa.

    Hoje em dia os estereótipos estão mais camuflados, e quanto mais naturalista o espetáculo, os estereótipos tendem a desaparecer em suas características marcantes. Estes estereótipos podem ser mudados com a intenção do figurinista e do diretor, pois com a harmonia de idéias surgem os figurinos enchendo o palco de glamour e trazendo um personagem com uma mensagem à passar e uma história a contar.

    É esta história que encanta, hipnotiza e marca o espectador seja ela falada, cantada ou dançada, o importante é o geral da fantasia, é a missão comprida, a mensagem transmitida e entendida.Não importa quão grande seja o espetáculo representado, se possui muitos figurinos, atores e grandes cenários, e é uma produção feita com muitos recursos financeiros, o importante é saber trabalhar com as linguagens, com os tecidos, cores, texturas, saber identificar as necessidades da cena, saber criar um mundo de fantasia para encantar o público e trazer uma harmonia visual com todos os elementos cênicos. A linguagem do vestuário teatral é reforçado de acordo com a necessidade e a intenção, e realizada com atenção, estudo e sabedoria ela consegue ter a capacidade de falar por si só, ela reforça a dramaticidade da cena, aumenta o dama pelo que o ator está passando, aumenta o impacto visual junto com a iluminação, e causa o espanto, a alegria, a emoção no nosso público.

      Bibliografia
    • CEBALLOS, Edgar. Princípios de Direccion Escenica. México: Grupo Editorial Gaceta, S.A, 1992.
    • CUNNINGHAM, Rebecca. The Magic Garnment. Principles of Costume Design. Nova York: Editora Congman, 1984.
    • ECO, Umberto. SIGURTÁ, Marino. ALBERONI, Francisco. DORFLES, Gillo. LOMAZZI, Giorgio. Psicologia do Vestir . 3a edição. Lisboa: Assírio e Alvim, 1989.
    • FERGUSSON, Francis. Evolução e Sentido do Teatro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1964.
    • FERNANDES, Francisco. LUFT, Celso Pedro. GUIMARÃES, F.
    • GIRARD, Gilles; OUELLET. O Universo do Teatro. Editora Livraria Almeida. Coimbra/Portugal, 1980.
    • HENDERSON, Mary C. America’s Theatres. U.S.A.: Gary Pergl Editorial., 1990.
    • IONESCO, Eugéne. Notes et Contre-Notes. Paris, Gallimard, 1966. p.116.
    • KOLLER, Carl. História do Vestuário. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1993.
    • LAVER, James. A Roupa e a Moda. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
    • LOTMAN, Yuri. Estética e Semiótica do Cinema. Lisboa: Editorial Estampa Ltda, 1978.
    • MANTOVANI, Anna. Cenografia. São Paulo: Ática S.A., 1989.
    • MONTEIRO, Marianna. Noverre-Cartas sobre a Dança. São Paulo: Edusp, 1998.
    • NELMS Henning. Como Fazer Teatro. Rio de Janeiro : Letras e Artes, 1964.
    • PORTINARI, Maribel. História da Dança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.
    • RACINET, Albert. Histoire Du Costume. Slovênia: Bookking International, 1988.
    • ROSENFELD, Anatol. Prismas do Teatro. São Paulo: Perspectiva: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.
    • ROUBINE, Jean-Jacques . A Linguagem da Encenação Teatral -1880-1980. São Paulo: Zahar Editores S.A., 1982.
    • SESC. Cenografia - Um novo Olhar. São Paulo: SESC. Pompéia, 1995.
    • TIEGHEM, Philippe Van. Técnica Del Teatro. Buenos Aires: Editorial Universitária de Buenos Aires-EUDEBA, 1962.
    • SANTAELLA L. O que é semiótica . Editora Perspectiva, 1983.
    • TURIM, Roti Nielba. Elementos da Linguagem. Aulas Caderno RL2. Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Arquitetura e Planejamento. São Carlos/SP. Serviço Gráfico-EESC-USP – nº 2. Junho, 1992.

    (c) www.artes.com